.
15 anos
.

Telefone Paes e Pazzaglini Telefone Paes e Pazzaglini

ARTIGOS

Eleições Municipais 2016 - Propaganda eleitoral: permitida e proibida

Marino Pazzaglini Filho

outros artigos deste autor


A propaganda eleitoral, nas eleições municipais de 2016, qualquer que seja a sua forma ou modalidade, somente pode ser divulgada a partir do dia 16 de Agosto, sendo vedado qualquer espécie de propaganda politica paga no radio e na televisão.

1) PROPAGANDA ELEITORAL PERMITIDA

É permitida toda propaganda que não seja contra a lei.

Na eleição para Prefeito, a coligação usará, obrigatoriamente, sob sua denominação, a legenda de todos os partidos que a integram.

E, na eleição para Vereador, cada partido usará apenas a sua legenda sob o nome de coligação.

Todo material impresso deverá conter o número de inscrição no CNPJ ou no CPF do responsável pela confecção, o nome de quem contratou e a respectiva tiragem.

A realização de qualquer ato de propaganda em recinto aberto ou fechado, inclusive comícios e carreatas, não depende de licença de polícia.

Até às 22 horas do dia que antecede a eleição, 1° de Outubro, são permitidos distribuição de material gráfico, caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite divulgando jingles ou mensagens do candidato.

Nas vias publicas somente é permitida a colocação de mesas para a distribuição de material e a utilização de bandeiras ao longo das vias públicas, desde que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e de veículos.

Nos bens particulares é permitida a veiculação de propaganda eleitoral, espontânea e gratuita, desde que seja feita em adesivo ou em papel que não exceda a  0,5m² e não contrarie a lei eleitoral.

Na Internet, a propaganda pode ser redigida das seguintes formas:

  • 1°) Em sítio do candidato, do partido de coligação, devendo o endereço eletrônico ser comunicado a Justiça Eleitoral;
  • 2°) Por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato (partido ou coligação);
  • 3°) Por meio de blogs, redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter, etc) cujo conteúdo seja editado pelo candidato (partido ou coligação) ou pessoa física identificada;

2) PROPAGANDA ELEITORAL PROIBIDA

  • 2.1°)  Proibição Geral:
  • A legislação eleitoral elenca as proibições cominadas a todas as modalidades de propaganda, a saber:
    • I - de guerra, de processos violentos para subverter o regime, a ordem política e social, ou de preconceitos de raça ou de classes;
    • II - que provoque animosidade entre as Forças Armadas ou contra elas, ou delas contra as classes e as instituições civis;
    • III - de incitamento de atentado contra pessoa ou bens;
    • IV - de instigação à desobediência coletiva ao cumprimento de lei de ordem pública;
    • V - que implique em oferecimento, promessa ou solicitação de dinheiro, dádiva, rifa, sorteio ou vantagem de qualquer natureza;
    • VI - que perturbe o sossego público, com algazarra ou abuso de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;
    • VII - por meio de impressos ou de objeto que pessoa, inexperiente ou rústica, possa confundir com moeda;
    • VIII - que prejudique a higiene e a estética urbana;
    • IX - que caluniar, difamar ou injuriar qualquer pessoa, bem como atingir órgãos ou entidades que exerçam autoridade pública (art. 243).
  • 2.2°)  Propaganda proibida em bens públicos:
  • Nos bens públicos e de uso comum, inclusive aqueles que a população em geral tenha acesso, tais como cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estúdios, ainda que propriedade privada.
  • 2.3°) Propaganda proibida em bens particulares:
  • A propaganda em bens particulares subordina-se ao consentimento do proprietário ou possuidor do bem e não pode ser remunerada nem em forma não autorizada na lei, tais como faixas, pinturas nas fachadas, muros e paredes.
  • 2.4°) Propaganda na internet:
  • Na Internet é proibida:
    • Veiculação de qualquer tipo de propaganda paga;
    • Divulgação de propaganda encoberta pelo anonimato;
    • Envio de mensagens eletrônicas sem mecanismo que permita seu descadastramento pelo destinatário;
    • Veiculação em sitio de pessoas jurídicas, públicas ou privadas;
    • A compra de cadastro eletrônico;
  • 2.5°) Propaganda no Rádio e na Televisão:
  • É proibida a veiculação de propaganda paga e limita-se ao horário gratuito, que teve seu período reduzido de 45 para 35 dias.
  • 2.6°) Propaganda na Imprensa Escrita:
    • É vedada a propaganda gratuita de qualquer candidato.
    • A paga é permitida até 10 anúncios por veículo de comunicação, em datas diversas, no espaço máximo por edição de 1/8 de jornal padrão e de 1/4 de página de revista ou tabloide.
  • 2.7°) Demais tipos de Propaganda Eleitoral Proibida:
    • A confecção, utilização, distribuição por comitê ou candidato, de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens que possam proporcionar vantagem ao eleitor;
    • A realização de showmício e de evento assemelhado para a promoção de candidatos;
    • A apresentação, remunerada ou não, de artistas com o fim de animar comícios ou reuniões eleitorais;
    • O uso de trios-elétricos, exceto para a sonorização de comícios;
    • A veiculação por meio de outdoor, inclusive eletrônico;
    • O uso de alto-falantes ou amplificadores de som em distância inferior de 200 metros:
    • das sedes dos poderes executivos e legislativo, das unidades da federação;
    • das sedes dos órgãos jurisdicionais e dos quartéis;
    • dos hospitais e casas de saúde;
    • das escolas, bibliotecas públicas, igrejas e teatros, quando em funcionamento.

 

 

OUTROS ARTIGOS

 

PROPAGANDA ELEITORAL NA INTERNET

Marino Pazzaglini Filho

REGISTRO DE CANDIDATOS

Marino Pazzaglini Filho

CONVENÇÕES MUNICIPAIS 2020

Marino Pazzaglini Filho

Primeiras anotações dos efeitos da LINDB sobre a LIA

Marino Pazzaglini Filho

Aplicação do novo CPC na Justiça Eleitoral

Marino Pazzaglini Filho

Atos de Improbidade Administrativa

Marino Pazzaglini Filho

Crime de Corrupção Eleitoral

Marino Pazzaglini Filho

Descumprimento de ordem emitida pelo Presidente do Tribunal de Justiça para pagamento de precatório não configura o crime previsto no artigo 1º, inciso XIV, do Decreto-Lei 201/67

Marcella Oliveira Melloni de Faria

Eleições Municipais 2016 - Propaganda eleitoral: permitida e proibida

Marino Pazzaglini Filho

Execução de bens particulares de sócio de sociedade de responsabilidade limitada.

Marino Pazzaglini Filho

Inelegibilidade por ato de improbidade administrativa

Marino Pazzaglini Filho

Inelegibilidade por rejeição de contas

Marino Pazzaglini Filho

Lei Anticorrupção

Marino Pazzaglini Filho

Novo Código de Processo Civil

Marino Pazzaglini Filho

O prejuízo efetivo ao Erário como requisito para configuração do artigo 10 da Lei de Improbidade Administrativa

Marcella Oliveira Melloni de Faria

Primeiras anotações dos efeitos da LINDB sobre a LIA

Marino Pazzaglini Filho

Princípios constitucionais da administração pública

Marino Pazzaglini Filho

Princípios constitucionais da tutela e gestão do meio ambiente

Marino Pazzaglini Filho

Responsabilidade fiscal

Marino Pazzaglini Filho

.
TOPO
Paes